Prevenção e Promoção de Saúde

Odontologia do Trabalho

voltar Lista

ANÁLISE DE ACIDENTE, UM TRABALHO DE EQUIPE

Postado por Ricardo Toscano em 10/01/2013 21:48:00

O texto a seguir é um método que pode auxiliar o profissional da área de Segurança do Trabalho no momento da análise do acidente seja ele com ou sem perda, utilizando e valorizando em muito o trabalho em equipe, deixando de ser uma tarefa exclusiva do setor de Segurança do Trabalho.

Após a ocorrência de um acidente a primeira coisa que se pensa é ir logo ao local da ocorrência e levantarmos todos os dados possíveis para a análise das causas do acidente, tirar fotos, filmar, isolar área, etc; E na maioria das vezes a conclusão destas análises é sempre a mesma, ato inseguro, falta de atenção, descuido, etc, e fica por aí. Muita das vezes se deixa de ir mais fundo nas análises dos acidentes e se conclui um análise somente com os fatos visto no momento após a ocorrência, ou seja se perde o fio da meada, ou melhor se deixa ir o fio da meada , na maioria das vezes por falta o apoio da administração, pela falta de liberdade para se trabalhar entre outras dificuldades que enfrentamos. Devemos ir mais profundo nestes acontecimentos utilizando o trabalho em equipe que podemos fazer da seguinte forma. 

Após o acidente deve-se reunir os colaboradores do setor envolvido, o supervisor e o encarregado e se possível o acidentado comunicar e explicar a todos o fato ocorrido e fazer juntamente com eles um BRAINSTORMING (Tempestade de Idéias) do fato levantando-se todas as possíveis causas que gerou o acidente, é muito importante não desprezar nenhuma  causa levantada por menor que seja. Depois de levantar e anotar as possíveis causas fazer a montagem do Diagrama de Yshikawa ou Espinha de Peixe (Anexo 1) para um melhor agrupamento das causas. Depois devemos montar um relatório que podemos chamar de RELATÓRIO DE CAUSAS (Anexo 2) onde iremos descrever o acidente e todas as possíveis causas relatadas durante o BRAINSTORMING. A partir deste relatório  montaremos um plano de ação (Anexo 3) juntamente com os participantes do BRAINSTORMING, determinando as medidas a serem tomadas, os responsáveis pela execução das medidas, onde as medidas serão implantadas (geralmente na área do acidente), como se implantar estas medidas e o prazo para implantação das medidas para eliminar as causas que gerou o acidente. É muito importante também, durante este trabalho procurar outros possíveis riscos que possam causar problemas futuros agindo preventivamente em outros possíveis acidentes naquele setor. Logo após a elaboração e aprovação do plano de ação deve-se procurar divulgar este plano de ação no setor (quadros de aviso, reuniões de segurança, etc) para se buscar um maior envolvimento de todos colabores e demonstrar que se está trabalhando sobre o fato, fazer um acompanhamento rigoroso do cumprimento das medidas dentro dos prazos. Para se executar um trabalho de análise bem feito é fundamental o comprometimento de toda a equipe, supervisor de produção, encarregado de produção, gerente de produção e principalmente dos colaboradores. 

ANEXO 1

 
 

 

 
 
 

 


Mão de obra: Toda causa que envolve uma atitude do colaborador (ex: Procedimento Inadequado, Pressa, Imprudência, Ato Inseguro, etc.) 
 
Material: Toda causa que envolve o material que estava sendo trabalho. 
 
Método: Toda causa envolvendo o método que estava sendo executado o trabalho. 
 
Máquina: Toda causa envolvendo á máquina que estava sendo operada. 
 
Medida: Toda causa que envolve uma medida tomada anteriormente para modificar processo, etc. 
 
Meio Ambiente: Toda causa que envolve o meio ambiente em si (poluição, calor, poeira, etc.) e o ambiente de trabalho (Lay Out, falta de espaço, dimensionamento inadequado dos equipamentos, etc.) 

 

 

 

 

 

 

ANEXO 2

 
 
 

Relatório de Causas

Modelo Básico
 
 
 
 
 

RELATÓRIO DE CAUSAS

1 – (RELATO DO ACIDENTE)
 
 
 
 
2 – (CAUSAS LEVANTADAS DURANTE O BRAINSTORING)
 
 
 
 
3 – (CONCLUSÃO)
 
 
 
 
4- (PARTICIPANTES DO BRAINSTORMING)
 
 
 
 
 
 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

ANEXO 3

 
 
 

Plano de Ação

Modelo Básico
 
 

O QUE 

(Tarefas) 

Quem 

Onde 

Porque 

Como 

Quando 

 

Ação a ser tomada 

 

Responsável pela ação 

Local onde a ação será tomada 

O porque da ação 

Como será tomada a ação 

Prazo para execução da ação 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 
OBS: Em um único plano de ação pode se ter várias ações, medidas ou modificações a serem feitas sendo desta forma se utiliza uma linha para cada ação, podendo um plano de ação ter várias linhas de ações a serem tomadas.
 
 
Este método de análise de acidentes contribui e muito para solucionar as causas que influenciaram no acidente e causas que poderiam causar outros acidentes e acima de tudo envolve todos os colaboradores do setor fazendo com que eles se sintam envolvidos no trabalho do Setor de Segurança, dando a eles liberdade para se expressarem sobre condições e atos inseguros no setor.
 
 
 
Autor: www.areaseg.com . Waldecy Antônio da Rocha Silva / Técnico de Segurança do Trabalho
Palavra chave : odontologia do trabalho, artigos cientificos odontologia do trabalho



Fonte: msc, Ricardo Toscano.